Segunda, 09 Maio 2022 09:40

ATENÇÃO EM CASA, AOS PETS SOZINHOS!

Avalie este item
(0 votos)

 Um estudo recente traz a relação entre cenário pós-pandemia e ansiedade por separação em cães. Camilli Chamone, consultora sobre bem-estar e comportamento canino de Belo Horizonte (MG) e editora de todas as mídias sociais "Seu Buldogue Francês", explica como resolver o problema. Fique à vontade para divulgar o tema; ela também está à disposição para entrevistas.

 

Cães sofrem ao ficarem sozinhos com retorno às atividades presenciais dos donos

Cenário pós-pandemia pode trazer quadro de ansiedade ao animal, gerando problemas físicos e emocionais; comportamentalista explica como resolver

(Imagem: Amit Karkare por Pixabay)

Um estudo publicado em fevereiro de 2022 pela revista científica Animals analisou a relação entre a rotina de donos de cachorros no Reino Unido, no âmbito da pandemia da Covid-19, e o risco de os animais desenvolverem ansiedade por separação – que, como o nome sugere, é um quadro de ansiedade e de medo enfrentado pelo animal quando está sozinho e longe de seu dono, ocasionando sofrimento.

Os resultados mostram que 1 em cada 10 cães desenvolveram novos sinais de ansiedade por separação (antes inexistentes) em período no qual as restrições da pandemia diminuíram – cenário em que possivelmente o cão passou mais tempo sozinho, depois de um período em que o dono permanecia em casa.

FICAR DE NOVO SOZINHO

No Brasil, com a melhora no quadro da pandemia, muitas pessoas retornaram às atividades presenciais ou híbridas. E como fica o cãozinho, após mais de dois anos acostumado com a presença do dono em casa?

Segundo Camilli Chamone, consultora sobre bem-estar e comportamento canino, de Belo Horizonte (MG), editora de todas as mídias sociais "Seu Buldogue Francês" e pós-graduada em Genética e Biologia Molecular, a chance de o animal adquirir ansiedade por separação neste cenário é alta. Em seus atendimentos dos últimos dois anos, a cada 10 pessoas, 9 relatam este problema.

"O sofrimento causado pela ausência do dono é tão intenso, que equivale a uma síndrome de pânico, em um humano. Cães com ansiedade por separação já estão com o emocional comprometido e demonstram isso com sinais físicos: excesso de latidos ou choros, comportamentos destrutivos que não aconteciam antes ou não acontecem na presença do dono, 'esquecer' o lugar do banheiro, não comer ou beber água na ausência do dono, babar a ponto de fazer poças de saliva no chão, arranhar a porta para sair de casa, etc.", exemplifica Chamone.

ESTRESSE

Também podem surgir problemas de saúde relacionados ao estresse, como doenças de pele, diarreias e vômitos recorrentes.

Este quadro é causado, principalmente, pela junção de dois fatores: ambiente pobre de estímulos e uma relação de muita dependência entre cão e dono.

"Se o animal não tem nada para fazer, começa a redirecionar a atenção para o dono. Este, em contrapartida, ao ficar mais em casa na pandemia, dá essa atenção o tempo todo. Nestes casos, o cão associa a presença desta pessoa como essencial para o seu dia a dia; em sua ausência, entra em pânico", detalha a comportamentalista.

O risco é ainda maior quando houve adoção da rua, jovem ou adulto. "Depois de passar um tempo de privação, ao entrar em uma casa, com suas necessidades básicas atendidas (comida, água e abrigo) e um universo de atenção, esse animal terá maior predisposição a desenvolver essa ansiedade na ausência do dono", relata.

Além disso, ao contrário do senso comum, trazer um segundo cachorro para casa pode piorar a situação. "Em consultorias, observo que o segundo pode acabar copiando o comportamento do primeiro; além de ter um cão em sofrimento, a pessoa passa a ter dois, pois o comportamento inadequado de um deseduca o outro", analisa.

TEM QUE BUSCAR AJUDA

Para resolver o problema, é recomendado buscar orientação com um profissional de comportamento canino. Um dos passos é trabalhar a autonomia do animal com o dono ainda dentro de casa, acostumando-o a estar na sua presença, mas sem acesso direto a ele.

Ações simples ajudam, conforme enumera Chamone: "ao trabalhar de casa, é importante permanecer em ambiente diferente do cachorro e enriquecer o espaço dele com estímulos, oferecendo, por exemplo, um osso para roer ou brinquedos interativos, com alimentos. Além disso, na hora de dormir, o ideal é tirá-lo da cama do humano".

E, se a pessoa já está num cenário de volta presencial, é sensato deixar o cão na casa de um conhecido ou em creche de qualidade – com profissionais que entendam de comportamento canino – até resolver o problema. "Se o animal já desenvolveu ansiedade por separação, quanto mais sozinho fica, mais sofre e mais piora o comportamento", analisa a consultora.

Apesar dos desafios, é possível tratar o quadro e proporcionar melhor qualidade de vida a ambos. "Um cachorro vive, em média, 15 anos. É importante resolver o problema o quanto antes – e, com acompanhamento profissional e dedicação, isso é feito em cerca de quatro meses, que podem mudar uma vida toda. Cachorro e dono certamente estarão mais seguros e felizes", finaliza.