Terça, 10 Maio 2022 08:24

TSE RECEBE PRESSÃO PRA DEFESA CENTRALIZAR

Avalie este item
(0 votos)

Ministro da Defesa quer centralizar demandas em comissão eleitoral do TSE

Em ofício enviado no último dia 28, Paulo Sérgio de Oliveira pede que as demandas direcionadas à instituição sejam encaminhadas a ele, ‘como autoridade representada’ do CTE

  • Por Jovem Pan

O ministro da Defesa, Paulo Sérgio de Oliveira, pediu ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para que ele seja comunicado diretamente das atividades da Comissão de Transparência das Eleições (CTE). O colegiado foi criado no ano passado para debater o aperfeiçoamento no sistema eleitoral e já tinha um representante das Forças Armadas, o general Heber Garcia Portella, escolhido pelo antecessor de Oliveira na pasta, o general Walter Braga Netto. Em ofício enviado ao TSE no dia 28 de abril, o titular da Defesa não diz expressamente que deseja retirar Portella da comissão, mas agradece as contribuições do militar para o “aperfeiçoamento da segurança e da transparência do processo eleitoral” e acrescenta que, com a apresentação do Plano de Ação, a participação de Portella na CTE foi concluída.

“Com a recente apresentação do Plano de Ação para a Ampliação da Transparência planejamento do Processo Eleitoral, no dia 25 de abril último, entende-se que foi concluída a etapa de ações de ampliação da transparência do processo eleitoral, prevista no inciso I do artigo 29 da Portaria TSE ne 578, de 8 de setembro de 2021”, diz o documento.

“Solicito a Vossa Excelência que, a partir desta data, as eventuais demandas da CTE direcionadas às Forças Armadas, tais como solicitações diversas, participação em reuniões, etc, sejam encaminhadas a este Ministro, como autoridade representada naquela Comissão”, segue o ofício. Em nota publicada nesta segunda-feira, 9, a Defesa afirma que “jamais solicitou a retirada do nome do General Heber Garcia Portella, representante das Forças Armadas na Comissão de Transparência das Eleições (CTE). Portanto, não houve ‘autonomeação’ do Ministro da Defesa, Paulo Sérgio, para a referida função”. 

Na última quinta-feira, 5, a pasta enviou um outro ofício ao TSE solicitando a divulgação das propostas das Forças Armadas para as eleições. Nesta segunda-feira, a Corte publicou uma “nota de esclarecimento” dizendo que “nunca houve, qualquer objeção a que documentos com sugestões sobre o processo eleitoral sejam colocados ao pleno conhecimento público”.